quinta-feira, 20 de agosto de 2009

Caros amigos,

minha proposta com o presente blog é atender a um pedido de vários colegas e ex-alunos, que me pediram para compartilhar minha experiência de aprovação em concursos públicos, um sonho que hoje tantas pessoas almejam alcançar. Mas, para os que não me conhecem, é preciso que eu me apresente.
Em 2003-2004 eu estava lá pelo 7º período de direito da UFMG,quando resolvi fazer o concurso para Advogado do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais - BDMG. O concurso era concorrido,pois pagava bem e só exigia 6 horas de dedicação. Fiquei em 47º lugar. Embora fossem somente 12 vagas, fiquei muito satisfeito, pois vi que ser aprovado em um concurso não era tão difícil quanto parecia. Assim, quando estava no 9º período, desisti de advogar e fui estudar para o exame da OAB e, paralelamente, um pouco para concuros. No 10º período, em setembro de 2004, fiz concurso para Advogado da Minas Gerais Participações S/A, uma empresa pública mineira. O resultado veio em novembro: 2º lugar! Fiquei extasiado, mas em 17 de dezembro, dia da minha formatura, recebi uma péssima notícia, que seria ótima não fosse a data: a convocação para apresentar a documentação para a assunção do cargo em 10 dias. Eu havia acabado de prestar o exame da OAB, e ainda não havia resultado. Perdi o cargo.
Comecei então, em janeiro, a estudar para o concurso de Procurador do Estado de Minas Gerais. A 1ª etapa aconteceu no dia 30 de janeiro. Passei para a 2ª, que se passou lá pelo dia 20 de março. Em 26 de abril, saiu o resultado: mesmo antes de computada a prova de títulos, eu já havia garantido a 1ª colocação no concurso. Dessa vez, nada me segurou: tomei posse e exerci a função por 3 anos e 1 mês. Mas antes, como já estava inscrito, fiz a prova para Analista de Direito Comercial da Junta Comercial de MG. Eu não ficaria com o cargo, pois o de Procurador era melhor, mas resolvi não dar de graça minha taxa de inscrição. Fui aprovado em 3º lugar.
Em 2007, já tendo exercido o cargo de Procurador do Estado por dois anos, resolvi que era hora de começar a estudar para um concurso melhor. Comecei devagar e, no 2º semestre, apertei os estudos, mas sempre trabalhando. Em novembro de 2007, me inscrevi no Concurso para Juiz Federal do TRF da 4ª Região (Sul) e no concurso do Ministério Público Federal, certamente o concurso jurídico mais difícil do país. Em 13 de agosto de 2008, tive a notícia de que fora aprovado em 6º lugar no concurso de Juiz Federal. Tomei posse em 15 de setembro. Em 6 de outubro, soube que havia sido aprovado em 5º lugar no concurso para Procurador da República. Optei por este último e, desde 3 de Dezembro passado, exerço as funções na Procuradoria da República do Município de Governador Valadares-MG.
Apesar da história, o que quero compartilhar com os leitores é que, durante todo esse percurso, tive as mesmas dúvidas, dificuldades e inquietações que todos aqueles que se enveredaram pelos caminhos do direito e, especialmente, pelo dos concursos públicos: é isso mesmo que eu quero? Compensa estudar tanto? Depois que passar, não vou me decepcionar com o cargo? Terei que me mudar para longe? Se eu estudar muito,é garantido que um dia eu seja aprovado? Quanto vai me custar? Dá para conciliar estudo e trabalho? Como fazer isso?Assim, o que pretendo aqui é compartilhar minha experiência e expor como resolvi todas essas questões. Funcionou para mim. Quem sabe funciona para você? Além disso, vou compartilhar meus materiais e resumos para concursos, responder dúvidas e, enfim, fazer todo o possível para ajudar aqueles que estão trilhando o mesmo caminho. Porque, tenho certeza, você também vai passar!

9 comentários:

  1. Dr. Edilson, morava aim em GV e agora estou morando em BH. Tb fiz o trf4 mas fiquei na primeira fase por um ponto. Tentei entrar em contato com voce no orkut mas não tive resposta. Gostaria muito de aprender um pouco com o Sr. e obter o material, pois estou me preparando para juiz federal do TRF1. Qualquer dica será muito bem vinda. Tenho um amigo de faculdade que passou para promotor (Randal) que elogia muito o Sr. Se puder me conceder a honra de enviar o material o meu e-mail é hendrikus_garcia@yahoo.com.br

    ResponderExcluir
  2. Olá Edilson, tou me preparando para a Mag.Federal, meu grande sonho. Como faço para ter acesso ao seu material de estudo? abrs.

    ResponderExcluir
  3. Prezados Hendrikus e juizhelio,
    continuem acompanhando o blog, pois em breve vou disponibilizar aqui todas as dicas de bibliografia, de estudo, bem como resumos e outros materiais que utilizei para me preparar. Obrigado pelo intersse. Um abraço
    Edilson

    ResponderExcluir
  4. Aproveitando o ensejo do Dr. Edilson, "Embora fossem somente 12 vagas, fiquei satisfeito, pois vi que ser aprovado em concurso não era tão difícil quanto parecia" acrescento que ao colocar em prática os conselhos de alguém que se dedicou a concursos longrando êxito, a pessoa "marcará" o dia da sua investida num cargo público. Digo isso por ter me apoiado em conselhos e dicas de grandes concurseiros, que apesar de ser em nível médio (só possuo o médio) sempre disseram que eu ia passar.
    Acreditando nisso eu estudei... MAS SÓ FIQUEI REALMENTE CONVENCIDO, quando vi que que relamente eu estava caminhando nos estudos, pois até então, na minha vida inteira, eu só conhecia o estudo verdadeiro (dedicado e compromissado), NOS CAMPOS DA MITOLOGIA, OU ASTRAIS, OU POPULARMENTE "SÓ DE OUVIR FALAR".

    Eis aí o "Santo Graal": qualquer pessoa, fora algum impedimento de ordem maior, consegue apreder qualquer coisa. Estudar é organizar a forma de aprender, até de viver durante ese período. Ainda temos que para se chegar no nível de "concurseiro sênior" é necessário adotar diversos tipos de condutas, que podem ser aprendidas, com muita dificuldade e duras penas, sozinhas (altos riscos: stress, frustrações sem o devido apoio para supera-las, dentre outros) ou com o auxílio de alguém que te apoiará e lhe evitará as duras penas!

    Dessa forma ao estudar verdadeiramente, compromissadamente e perseverantemente, percebi que vc vai ficando tão potente em seus estudos (seguindo as dicas já aludidas) que vc vê a sua vaga aproximando. Como diz um ex-professor meu, Ronaldo Botrel: na pior das hipóteses vc vai dar thcau a sua vaga algumas vezes, mas vc chega lá...

    Assevero o já dito pelo Dr. Edilson, com o seguinte dito popular no meio de concurseiros que descubriram a "verdade real", o "graal sagrado": "Só existem dois tipos de Concurseiros - os que passam .... - E os que desistem..."

    ResponderExcluir
  5. Dr.Edilson, após ler a apresentação deste blog, fiquei muito surpresa, pois hoje tive o prazer de assistir a uma palestra sua na "FADIVALE" e lá falando que passara em vários concursos e referindo-se "nos meu tempos", cheguei a pensar que tivesse uma suposta idade que não aparenta, após leitura, fiquei encantada, pois tão jovem e tão talentoso. Parabenizo-lhe por tanto. Abraços

    ResponderExcluir
  6. Esse cargo de Procurador do Estado de MG, que o senhor passou assim que saiu da faculdade, não exigia os 3 anos de atividade jurídica não?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Rodrigo,
      na época, o concurso não exigia 3 anos de atividade jurídica. Isso mudou recentemente e hoje os 3 anos são exigidos.
      Um abraço!

      Excluir
    2. Só uma dúvida professor, estudo para área fiscal, especificamente para RFB. Sou formado em TI, e quando começei estudar as materias de direito há um ano e meio atrás, tive muita dificuldade. Sabe me dizer se porventura eu fizer um curso superior de direito em uma boa faculdade, e claro, pelo meu esforço eu adquirir bastante conhecimento, e resolver fazer concursos para área jurídica, o conhecimento da faculdade é quase 100% aproveitado para concursos da área jurídica? Seja ele para Técnico, Analista Judiciário, Magistratura ou Procuradoria? Pois no mundo dos fiscais, se prega que para quem faz faculdade de direito por exemplo, que estuda por doutrinadores natos, tais como: Celso Bandeira, José Afonso, Luciano Amaro,
      Gilmar Mendes, e outros mais..terá que estudar pelos livros voltado para área fiscal, ou seja, se tratando de Direito Const: Lenza e Vicente Paula, Direito Adm: Marcelo Alexandrinho e Gustavo Knoplock, Direito Tributário: Ricardo Alexandre(Já foi fiscal da receita,.hoje é procurador de contas, mas seus textos são rebuscados). Percebi lendo seu blog, que você defendo a boa feitura da graduação, pois certamente aproveita bastante em concursos jurídicos. A pergunta é: É possível, sair bem nas provas de direito por exemplo para Promotor de Justiça ou para OAB apenas estudando muito bem pela faculdade?

      Att

      Excluir
  7. Caríssimo Edilson, sou estudante de direito e bancária, neste momento me preparando para a segunda etapa da OAB, contudo já tenho certeza que o mais almejo profissionalmente é ser membro do Ministério Público. Sendo que escolhi pelo MPF, pois quero me nivelar pelo mais difícil, inicialmente. De aleatório busquei no Google "blog Procurador da República" achei este blog e como não acredito em coincidências, sei que as prévias lições de vida que já pude ler se encaixaram perfeitamente ao momento em que estou vivendo. Estou feliz, achei exatamente o que eu queria, serei a sua mais nova leitora!

    ResponderExcluir