segunda-feira, 19 de outubro de 2009

O X do problema: fixação - Parte 2


2) Escolha um método de fixação que funciona para você: sem isso, desista. É preciso encontrar um método para que toda essa enorme quantidade de coisas que você vai ler vai efetivamente permanecer na sua cabeça, pelo menos até o dia da prova. Existem muitos métodos de fixação. Vou tentar analisar alguns:


a) Fazer resumos: é o método que eu utilizei e que é, para mim, o melhor. O resumo exige que você absorva o texto do autor e o reescreva com suas palavras. Assim, seu cérebro é obrigado a filtrar o texto, e você não corre o risco de ler uma parte difícil e pensar “não entendi muito bem, mas vamos adiante”. Se você não entendeu, vai ter que procurar outro livro, até entender aquela passagem. Assim, a absorção é muito grande. Para mim, era tanta que eu quase tinha vontade de jogar meu resumo fora assim que terminava, uma vez que já havia aprendido tudo o que estava ali. 
 
E o resumo, além de ser um ótimo aprendizado, é excelente para a revisão (v. abaixo): na véspera da prova, é perfeitamente possível, em mais ou menos uma hora e meia, ler 100 páginas de resumo que você mesmo fez. Mas é impossível ler 800 páginas de um manual de Direito Penal profundo, como o do Cezar Roberto Bitencourt. Aí vêm 2 outras questões: fazer resumo não significa copiar o livro. O ideal é que você escreva o que leu com suas palavras, não fazendo uma mera transcrição do livro. Assim, você se obriga a entender, absorver, não copiar. Também não significa reescrever o livro inteiro. Se você resumir 800 páginas em 400, vai levar uma eternidade para fazer o resumo e outra para ler o resumo que fez. Assim, se você quer passar ainda nessa vida, é melhor fazer um resumo que seja efetivamente resumido.

7 comentários:

  1. Caro Edilson,

    como é bom ouvir (ler) alguém que o fala o que deve ser dito. É isso aí, sem fórmulas mágicas.

    Obrigado.

    Abs

    André Nery
    Petrópolis-RJ

    ResponderExcluir
  2. Olá Edilson,

    Parabéns pelo blog, encontrei nele umas dicas muito úteis.
    Estou estudando para a Magistratura Federal, gostaria de saber a sua opinião a respeito dos cursos preparatórios: eles são indispensáveis, ou é possivel obter uma boa preparação em casa com boas doutrinas e resolvendo exercícios?

    ResponderExcluir
  3. Caro Márcio,

    sobre a questão dos cursinhos, escrevi a respeito há algum tempo. Dê uma olhada no link 'guia de sobrevivência' (http://edilsonvitorelli.blogspot.com/p/guia-de-sobrevivencia.html), em especial as postagens 'A indústria dos cursinhos, A indústria dos cursinhos 2 e A indústria dos cursinhos 3'.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  4. Boa tarde Edilson,

    primeiramente gostaria de parabenizá-lo pelo blog. Fantástico! Realmente a técnica de resumos é muito boa. Sou servidor estadual efetivo, porém quero um cargo que possibilite ter uma vida melhor e mais tranquila. Tendo em vista este objetivo, resolvi apostar no estudo a longo prazo com quadro-horário, boas doutrinas e com 3 horas diárias disponíveis 5h as 8h da manhã (trabalho na parte da tarde, 9h as 17h e estudo a noite). Bom, tenho certa dúvida sobre a confiabilidade da maneira que estou resumindo: leio o capítulo ou tópico (dependendo da extensão) e simultaneamente vou grifando. Em seguida, faço o resumo manuscrito transcrevendo o que grifei de importante. Como é de se notar, acabo lendo 2 vezes o que grifei, a primeira vez para grifar e a segunda para transcrever no resumo. Quando o assunto é difícil ou o autor não expressou de forma clara e objetiva, coloco com minhas palavras o entendimento. Em média, para cada hora de estudo: 8 páginas estudadas do livro (leitura+sublinha+resumo manuscrito). O Sr. comentou outro post que há aqueles que sublinham e aqueles que fazem resumos. No caso, faço os dois em atos sequenciais por hábito, costume. Então, em um livro de Direito Administrativo, por exemplo, de 400 páginas de conteúdo do edital, o resumo fica disposto em torno de 50 páginas ou 25 folhas frente e verso. O que o Sr. acha deste procedimento? Apesar de estar sendo extremamente proveitoso, sinto que estou lento, devagar. Em um dia de 3 horas de estudo, é possível perfazer no máximo 30 páginas da doutrina (senão menos!). É assim mesmo? Está normal? Sinta-se a vontade para propor adaptações.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  5. Obrigado por compartilhar seu conhecimento conosco humides estudantes.

    ResponderExcluir
  6. Bom Dia, Professor.

    Conheço o seu blog há pelo menos 4 anos. Na primeira oportunidade em que li essa postagem, a respeito da eficiência dos resumos, fiquei fascinado com a possibilidade de resumir e memorizar o que eu estudava. Ressalte-se, por oportuno, que sempre tive muita energia para estudar. Sempre. Entretanto, nunca segui método algum, por conta da ansiedade em terminar logo um livro ou certo capítulo. Assim, na primeira oportunidade em que li essa sua postagem, comecei com os resumos. Mas como o Sr. mesmo diz: fazer resumos é doloroso. Dói a mão, as costas e a consciência, devido ao tempo que levamos para resumir um livro de mil páginas. Não tive persistência e logo parei de fazer os resumos. Conclusão: de lá para cá li muita coisa, mas não me lembro de quase nada. Perdi meu tempo, sacrifiquei momentos com minha esposa, e me frustrei por completo. Há dois meses, na condição de filho pródigo, humilhei-me e entendi que a arrogância não é amiga do "saber" e do "conhecimento". Assim, retornei a seu blog, a gim de novamente beber dessa fonte. Voltei a fazer os resumos, mesmo que dolorosos. Estou persistindo há dois meses. O resultado é que estou finalizando uma matéria que eu não tinha a menor afeição: Direito Tributário (Ricardo Alexandre). Não esqueço de absolutamente nada do que resumi, a ponto de ter condições de debater sobre a matéria com um amigo que está estudando para Procuradorias Estaduais. Enfim, a minha mensagem é: temos que ser humildes e nos curvarmos aquilo que realmente funciona (os resumos). Mesmo que doa, pois a porta da salvação é estreita, rsrs. Apesar da minha teimosia, aqui estou para confirmar que vale a pena resumir tudo o que se lê e o que se quer lembrar na hora da prova. Como dizia o querido Professor Pier: a escada da inteligência tem degraus curtos, de modo que se deve ter persistência para agregar um pouquinho de conhecimento todos os dias. Obrigado, Professor, por sua honestidade e por sua real intenção em ajudar aqueles que precisam. Um abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Comentário perfeito, uma coisa é certa... Português você estudou muito bem.

      Excluir